“Ao contrário de outras serras, (…); a Estrela não divide: concentra.”

Miguel Torga

Serra da Estrela

A Serra da Estrela é um espaço com características muito próprias, região com o espaço montanhoso de maior dimensão do território nacional, zona de paisagem integrada no Parque Natural da Serra da Estrela – maior área protegida em solo nacional, e uma influência que vai para lá das suas margens e que abarca grande parte dos distritos da Guarda, Castelo Branco, Viseu e Coimbra.

Aqui temos os palcos privilegiados para fascinantes e poderosas experiências na Serra da Estrela. A nobreza das paisagens de montanha, a tranquilidade das lagoas, a pureza do ar, a aliciante prática dos deportos de neve, a degustação da gastronomia serrana e o artesanato fazem desta região um ponto de interesse cada vez mais procurado e um destino turístico de excelência.

A região é múltipla e vasta. Aqui se tocam a dureza granítica e o equilíbrio do xisto, das suas paisagens e aldeias e cidades. Tocam-se as correntes frias, os vales e glaciares das nascentes dos vários rios, cheiram-se e vislumbra-se a exclusiva fauna e flora. É todo um património natural e cultural a descobrir, em qualquer altura do ano, para todas as idades e independente do ou dos gostos do nosso visitante.

Estes são apenas uma pequena parte do verdadeiro alcance e influência que a mais brilhante estrela entre as serras de Portugal faz recair sobre o património natural e cultural nacional.

Ao visitar a Serra da Estrela, não deixe de:

  • subir à Torre, o ponto mais alto da Serra da Estrela e de Portugal continental;
  • beber água de uma nascente;
  • admirar os vales glaciares do Zêzere, Loriga e Unhais da Serra;
  • parar num dos vários miradouros e simplesmente olhar o horizonte;
  • descobrir a frescura e beleza dos bosques, todos eles diferentes consoante a altitude ou a época do ano;
  • apreciar a fauna e a flora locais. A Estrela é Reserva Biogenética e tem características únicas;
  • fazer uma visita ao CERVAS – Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens, onde são tratados e devolvidos ao seu habitat vários animais selvagens;
  • seguir um percurso pedestre e descobrir o esplendor dos trilhos da Serra da Estrela.
serra da estrela
serra da estrela
serra da estrela

“Aqui, a verdade da vida iguala a lenda, mesmo quando se trata de uma velha história como a da Serra da Estrela em Portugal, onde se diz existir perto do cume um lago em cuja superfície flutuam as carcaças de navios naufragados no oceano…”

Excerto do romance Moby Dick, de Herman Melville

Produtos, Artesanato e Gastronomia

serra da estrela
serra da estrela
serra da estrela

Os denominados produtos locais (alimentares e não alimentares) são elementos que não poderão ser esquecidos no desenvolvimento de qualquer região. Também aqui a oferta, prima não apenas pela quantidade mas acima de tudo pela qualidade. A gastronomia Serrana está fortemente ligada aos hábitos agrícolas e à estreita ligação das suas gentes à natureza.

O queijo serra da estrela, derivado unicamente do leite de ovelha raça bordaleira, raça nacional e com reconhecida aptidão leiteira, apresenta-se como o “rei” de qualquer mesa serrana, bem como o requeijão e saborosos enchidos como as alheiras artesanais, morcelas e chouriças das regiões da Beira Alta e Baixa. Não esqueçamos o pão de centeio, tom escuro e de textura, aroma e sabor inesquecíveis.

O acompanhamento do azeite serrano, característico pela sua tonalidade mais suave e paladar frutado, indispensável nos mais variados petiscos e pratos típicos como o cabrito, arroz de carqueja, bacalhau com broa, truta e carnes de caça, como o javali.

No que concerne à doçaria destaca-se o mel serrano feito a partir do pólen de duas espécies de flora endógena, de Urze – tonalidade mais escura, e de Rosmaninho, de tonalidade clara. Não poderá passar-se sem a prova do Bolo Negro de Loriga, de receita ancestral e paladar único.

Como esta é uma zona tradicionalmente vitivinícola, além de bons vinhos produzidos na região, é natural que apareçam alguns licores afamados altamente aromáticos como a jeropiga, a aguardente de bagaço e o de zimbro ou de castanha, entre outros.

A degustação dos sabores tradicionais e a possibilidade de levar para casa o prolongamento de um momento de prazer aumentam com certeza o enriquecimento da experiência turística que a região lhe oferece!

Há, também, nesta região vários artesãos a transformar as matérias que a natureza oferece em obra-prima, preservando os saberes e métodos tradicionais. A oferta artesanal é tão vasta que vai desde dos bordados e rendas, à cestaria, à cerâmica, à tanoaria, à olaria, até aos produtos inovadores em xisto ou madeira. Nota-se um cuidadoso aproveitamento dos recursos naturais e regionais. Desde pantufas em pele a pantufas de ovelha, às malhas de lã, às mantas de burel, aos cobertores de papa, aos gorros e meias e tantos outros produtos que aquecem os rigorosos invernos característicos região.

Grande atração da região continua a ser o afável Cão da Serra da Estrela, de grande beleza, avantajada corpulência e de nobres sentimentos, cuja tarefa de acompanhar e guardar os rebanhos perdura nos dias de hoje. A raça Serra da Estrela é uma raça nacional e deve o seu nome ao maciço central português onde este cão se fixou e se desenvolveu como cão de guarda por excelência, sendo atualmente muito utilizada na guarda de casas e propriedades ao longo de todo o país, mas também como um excelente cão de companhia para todos aqueles que possuam um espaço à sua medida.

Ao visitar a Serra da Estrela, não deixe de:

  • saborear e comprar o queijo da Serra e os fantásticos enchidos;
  • deliciar-se com o tradicional pão de centeio (pão do Sabugueiro), o bolo negro de Loriga ou o mel Serrano;
  • degustar os pratos típicos da Serra da Estrela, como o cabrito à Serrana, arroz de carqueja ou o nosso inconfundível arroz doce com leite de ovelha;
  • comprar os tradicionais lanifícios e peças de design contemporâneo em burel;
  • Visitar a oficina de um artesão;
  • mimar um amigável cão da Serra Estrela;
  • pescar e saborear uma truta de viveiro em Manteigas;
  • voar de parapente em Linhares da Beira;
  • tomar um dos muitos chás (infusões) tradicionais, talvez acompanhado de um biscoito de azeite (ou matruco).

“Somente a quem a passeia, a quem a namora duma paixão presente e esforçada, abre o coração e os tesouros. Então, numa generosidade milionária, mostra tudo. (…)Revela, sobretudo, recantos quase secretos de mulher.”

Miguel Torga

O Turismo – Fazer e visitar

No que toca ao turismo, o território abrangido pelo Pólo de Desenvolvimento Turístico, a região é aqui composta por 16 municípios mas uma vez mais encontramos a força unificadora da Estrela a fazer-se sentir para lá das suas margens ou fronteiras.

Quando pensamos em Serra da Estrela pensamos imediatamente em neve, em desportos de inverno, em dias frios passados a esquiar e em noites frente à lareira contudo, as características geográficas desta região, não servem apenas para fazer esqui ou snowboard, novas atividades como os percursos pedestres, os trilhos de BTT, a escalada e o parapente têm assumido cada vez mais um papel relevante com a facilidade de se conseguirem realizar em qualquer época do ano.

No interior da Serra encontrará rebanhos isolados, aldeias graníticas e aldeias de xisto, paisagens rurais e citadinas, faça a escolha que mais se adapta ao seu gosto e viva a Serra como quiser!

Para conhecer toda a extensão do Parque Natural da Serra da Estrela em detalhe, pode fazer primeiro uma visita ao Centro de Interpretação da Serra da Estrela, em Seia, aproveitando também para visitar o Museu do Pão, Museu do Brinquedo e Museu Natural da Eletricidade.

Faça a travessia do maciço central, em que as estradas mais populares ligam a Covilhã e o lado norte da Serra da Estrela (Seia ou Gouveia) passando pelas aldeias de montanha como o Sabugueiro, Alvoco da Serra ou Loriga, e a muitos outros locais imperdíveis – Penhas Douradas, Penhas da Saúde ou a Torre no topo da Serra – aqui poderá encontrar a estância de pistas de ski e desfrutar de um dia divertido e ativo em família.

Aventure-se ao explorar os vales glaciares, lagoas, cascatas e barragens de paisagens de cortar a respiração, desde o Covão dos Conchos à Lagoa Comprida, Poço da Broca, Vale Glaciar do Zêzere, Vale do Rossim, entre muitos, muitos outros.

Eventos desportivos e culturais também por aqui acontecem. Teatro, festivais de cinema, música, danças, provas desportivas, espetáculos variados, feiras e romarias, de tudo um pouco acontece ao longo do ano nesta vasta região.

A descoberta cultural da região passa ainda pela visita dos castelos circundantes como de Linhares, Celorico da Beira, Sabugal e Belmonte, mas também e principalmente pela diversidade que se apresenta durante todo o ano e pela simpatia destas gentes.

Ao visitar a Serra da Estrela, não deixe de:

  • praticar desportos de neve nas pistas de ski;
  • descobrir a frescura das praias fluviais durante o Verão;
  • consultar as agendas culturais dos vários municípios ou partir da Serra para a restante região, aproveitando os recursos e oferta disponível naquela que foi em tempos a pátria mãe do povo lusitano;
  • visitar o Museu do Pão, o Museu do Brinquedo e o Museu Natural da Eletricidade em Seia;
  • descobrir o Museu dos Descobrimentos em Belmonte, onde também encontra os maiores marcos nacionais do Judaísmo;
  • visitar o Museu da Agricultura e do Queijo em Celorico da Beira e o Museu dos Lanifícios na Covilhã;
  • explorar o Parque Ecológico em Gouveia ou o Museu da Miniatura Automóvel na mesma cidade;
  • explorar as aldeias histórias, as aldeias de xisto ou as fortalezas de Almeida e Trancoso;
  • pescar (e saborear) uma truta de viveiro em Manteigas;
  • voar de parapente em Linhares da Beira, ou visitar o seu castelo;
  • visitar uma queijaria tradicional, acompanhar o processo de feitura do melhor queijo do mundo;
  • fazer um picnic nas margens de um dos nossos vários rios ou lagoas.
serra da estrela, lagoa dos conchos
serra da estrela - vale do rossim
serra da estrela

“Para que percorres inutilmente o céu inteiro à procura da tua estrela?”

Vergílio Ferreira

Como chegar

Serra da Estrela

Desde o Porto/Norte

Siga pela A1 até ao nó de Albergaria. Saia e entre na A25 no sentido Viseu/Vilar Formoso.

A sua próxima saída vai depender do seu destino. Saia para Viseu/Nelas caso se dirija a Oliveira do Hospital/Seia, utilize a saída de Mangualde para Gouveia, e assim sucessivamente para Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Guarda, etc.

Desde Lisboa/Sul

Siga pela A1 no sentido Norte e caso de dirija à encosta do lado da Covilhã ou Guarda, poderá optar por sair em Torres Novas para a A23.

Caso se dirija para o lado Norte ou Oeste da Serra da Estrela, opte por sair da A1 no nó de Coimbra. Saia e entre no IP3 no sentido Viseu. Siga nessa estrada até encontrar a saída o IC6 e siga até ao seu destino.